O animal satisfeito dorme (Guimarães Rosa)

sábado, 10 de outubro de 2009

O futebol é mais do que a bola: Parte IV

Obs: O conteúdo abaixo foi retirado do Artigo de Divulgação "Princípios Táticos do Jogo de Futebol: conceitos e aplicação". Os créditos pelo autoria são de Israel Teoldo da Costa.

Princípios Táticos Específicos da Fase Defensiva:

Esses princípios ajudam todos os jogadores, sejam os mais distantes ou os mais diretamente envolvidos perto da bola (portador da bola), a organizarem as suas atitudes e os seus comportamentos tático-técnicos dentro da lógica de movimentações aconselhada para o método defensivo da equipe, buscando essencialmente, a execução rápida e efetiva das ações de defesa que levem a alcançar os dois principais objetivos defensivos: defesa do próprio gol e recuperação da posse de bola.

O cumprimento desses princípios ajudará os jogadores a orientarem os seus comportamentos e posicionamentos em relação a bola, o próprio gol, aos adversários, aos companheiros e aos acontecimentos dinâmicos da partida. Proporcionando que a defesa consiga orientar as ações de ataque para áreas menos vitais do campo de jogo e possa também restringir o espaço e tempo disponível para a realização das ações de ataque por parte dos jogadores adversários.

> CONTENÇÃO:

Ação de oposição do jogador de defesa sobre o portador da bola visando diminuir o espaço de ação ofensiva, restringindo as possibilidades de passes a outro jogador, evitando o drible que favorece a progressão em direção ao gol e, prioritariamente, impedindo a finalização a gol.

As regras desse princípio pregam a marcação rigorosa e individual sobre o portador da bola, a parada ou atraso da ação ofensiva da equipe adversária, a restrição das linhas de passe e de finalização a gol, o impedimento da progressão longitudinal pelo campo de jogo, a indução do jogo para um determinado lado do campo e o ganho de tempo para a organização defensiva.

As ações características desse princípio estão presentes na abordagem central que ocorre no corredor central do campo de jogo ou mais próximo da área defensiva, onde o defensor deverá obter um posicionamento entre a bola e o próprio gol; e na abordagem lateral que acontece em situações próximas á linha lateral, onde o posicionamento adotado pelo defensor se estabelece em função da bola, do próprio gol, do atacante e da intenção de direcionar as ações do ataque adversário para essa sentido/extremidade.

> COBERTURA DEFENSIVA:

Esse princípio está relacionado as ações de apoio de um jogador ás costas do primeiro defensor, de forma a reforçar a marcação defensiva e a evitar o avanço do portador da bola em direção ao gol. Ao assumir um posicionamento que evita perturbações defensivas que geram uma abertura de espaços favoráveis ao avanço adversário, o jogador, executa as ações de cobertura defensiva, tem por objetivo servir de novo obstáculo ao portador da bola, caso esse ultrapasse o jogador de contenção.

A cobertura defensiva quando é feita em situação de superioridade numérica a favor da defesa (ex. 2x1), facilita as ações de apoio do jogador que a executa, uma vez que a preocupação se foca no portador da bola. Já a cobertura defensiva realizada em situação de igualdade numérica (ex. 2x2) implica outras preocupações ao jogador que a executa, uma vez que, para além de se preocupar com o portador da bola e o colega que executa a contenção, ele tem que se atentar para as movimentações feitas pelo atacante que executa a cobertura ofensiva.

Alguns fatores relativos aos aspectos inerentes e não inerentes do jogo devem ser considerados no momento da realização da cobertura defensiva. Um desses fatores é a zona do campo, de acordo com a zona teremos um significado de risco ao gol e a concessão de espaço para as manobras ofensivas. Assim, a medida que a bola estiver mais próxima do setor defensivo e do corredor central, mais risco a bola oferecerá ao gol e menor espaço deverá estar disponível para o atacante efetuar as manobras ofensivas. Em situações que a bola estiver no corredor central e próximo ao gol, o jogador responsável pela cobertura defensiva deverá aproximar-se do jogador de contenção, no sentido de reduzir as chances de finalização do adversário e oferecer mais segurança ao setor defensivo de sua equipe. Na situação em que a bola é jogada nos corredores laterais, o jogador de cobertura deverá manter-se mais afastado do jogador de contenção , porque com o advento de mais espaço para a execução da manobra ofensiva, o portador da bola pode ultrapassar os dois marcadores de uma só vez. Além disso, nessas áreas os riscos ao gol são minimizados se comparados as outras áreas do campo de jogo.

As características das ações de cobertura defensiva em situações de jogo podem ser percebidas quando o posicionamento do jogador de cobertura defensiva, que deverá estar posicionado entre o jogador de contenção e o próprio gol, oferece apoio e segurança ao jogador de contenção.

> EQUILÍBRIO:

O primeiro aspecto baseia-se na premissa que a organização defensiva da equipe deve possuir superioridade, ou no mínimo garantir igualdade numérica de jogadores de defesa próximos a bola (portador da bola) posicionados entre a bola e o próprio gol; já o segundo se associa as ações de reajustamento do posicionamento defensivo em relação as movimentações dos adversários.

Atráves da aplicação desse princípio pretende-se assegurar a estabilidade defensiva próxima a bola (portador da bola), atráves do apoio desses jogadores aos companheiros que executam as ações de contenção e cobertura defensiva.

As regras desse princípio abrangem, portanto, a cobertura dos espaços e marcação dos jogadores livres sem a posse de bola, cobertura de eventuais linhas de passe e, em alguns casos, a redução do ritmo de jogo, forçando o adversário a aceitar certa cadência de jogo.

As ações do princípio de equilíbrio podem ser observadas a partir da disposição equilibrada de jogadores de defesa entre a bola e o próprio gol, nas ações de marcação dos jogadores adversários sem posse de bola e de apoio aos outros companheiros de equipe que estão imbuídos de realizar as ações de contenção e cobertura defensiva ao portador da bola.

> CONCENTRAÇÃO:

Esse princípio se baseia nas movimentações de jogadores em direção a zona do campo de maior risco ao gol, com o intuito de aumentar a proteção defensiva, de reduzir o espaço disponível de realização das ações ofensivas do adversário próximo a bola (portador da bola) e de facilitar a recuperação da posse de bola.

As regras desse princípio orientam-se na tentativa de direcionar o jogo ofensivo adversário para zonas menos vitais do campo de jogo e de minimizar a amplitude ofensiva na sua largura e profundidade, evitando que surjam espaços livres, principalmente, nas costas dos jogadores que realizam a contenção, a cobertura e o equilíbrio defensivo.

Sendo assim, as ações de concentração podem ser feitas em qualquer zona do campo de jogo, bastando que todos os jogadores envolvidos saibam da importância de sua movimentação na redução do espaço e no incremento da pressão na bola (portador da bola).

Essa ação de concentração pode ser observada quando os jogadores de defesa posicionados mais distantes do portador da bola conseguem se "aglutinar", adotando posicionamentos mais próximos entre si, de forma a limitar as opções ofensivas do ataque a uma determinada zona do campo.

> UNIDADE DEFENSIVA:

Esse princípio possui uma forte ligação com a compreensão de jogo por parte dos jogadores e do modelo de jogo preconizado para a equipe.

As regras desse princípio visam assegurar linhas orientadoras básicas que coordenam as atitudes e os comportamentos tático-técnicos dos jogadores que se posicionam fora da bola (portador da bola). Essas regras também permitem que a equipe consiga equilibrar ou reequilibrar constante e automaticamente a repartição de forças do método defensivo consoante as configurações momentâneas de jogo.

Nesse princípio, a regra do impedimento é uma importante aliada da equipe que defende, porque atráves da sua efetiva exploração e execução, a última linha de defesa consegue reduzir o espaço de jogo efetivo adversário e imprimir maior pressão na bola (portador da bola).

O fato dessa ação de pressão e redução do espaço diminuir o tempo que o portador da bola e os seus companheiros tem para tomarem as decisões e efetuarem as suas ações, pode levá-los a cometer erros que facilitam a recuperação da bola ou a chegada de mais defensores para ajudar nas ações de defesa.

Durante o jogo, as ações desse princípio podem ser percebidas atráves da coordenação das movimentações dos jogadores fora da bola (portador da bola) em consonância com a localização da bola, permitindo desenvolver o jogo de forma mais harmônica e eficiente, entre as linhas longitudinais e transversais da equipe; como por exemplo, a movimentação do jogador lateral para o centro do campo para ajudar na compactação da equipe, quando a ação do jogo está sendo desenvolvida no lado oposto.

2 comentários:

Saulo disse...

Muito bom esses textos, heim. Valeu!

João Henrique disse...

Realmente esse texto é excelente, tiver que procurar um pouquinho para achar um texto completo, simples e eficiente.
Abração!